Roteiro do que fazer em um dia de inverno em Lucerna, na Suíça

Eu confesso que Lucerna ia passar batido no meu roteiro pela Suíça. Não fosse um amigo de infância morar lá e eu querer muito visitá-lo, provavelmente nem passaria pela cidade.

E é já no primeiro parágrafo do post que lhe peço encarecidamente para não cometer o mesmo erro, pois Lucerna é tudo e mais um pouco do que esperamos da Suíça: construções medievais, arquitetura incrível, um lago/rio com vista para os Alpes e a modernidade que só muitos Francos suíços (moeda local) podem trazer. rs

Enquanto Berna é tão fofa que parece aquele bibelô na estante da sua avó, Lucerna mescla como ninguém seu legado medieval com a modernidade e é por isso que é tão encantadora! Não deixe de caminhar pela cidade, principalmente se for inverno. A cada cantinho descobrirá um lugar vendendo vinho quente (tipo um quentão, mas mais gostoso) ou uma raclette saborosíssima (tipo um queijo derretido maravilhosoooo)!

Segue o roteiro de um dia de andança pela cidade:

Kappelbrücke: a Ponte da Capela
Nosso roteiro começa por um dos lugares mais visitados de Lucerna, a Kappelbrücke. Essa charmosa ponte coberta construída no século XIV é um dos cartões postais da cidade e fica às margens do rio Reuss.

Quase tão antigos quanto a ponte são os desenhos pintados à mão para retratar como era Lucerna há séculos atrás. Em alguns pontos você verá a madeira bem escura e sem pintura, isso porque em 1993 houve um incêndio que quase destruiu a Kappelbrücke por completo. Mas ela foi restaurada e hoje está aí lindona pra gente admirar!

Wassertum
Bem ao lado da Kappelbrücke está a Wassertum, ou mais conhecida como a torre de água. Essa torre de pedra com mais de 40 metros de altura já foi usada com muitos fins, (prisão, local para tortura, tesouraria), menos como caixa d’água. Vai entender né? kkk  Junto com a ponte, a Wassertum forma o local mais fotografado da cidade.

Vai esticar sua viagem? Confira todos os nossos posts sobre a Europa! 

Jesuitenkirche
Se seguir pela margem do rio Reuss vai encontrar a Igreja Jesuíta. Construída no século XVII, ela foi uma das primeiras igrejas Barrocas da Suíça. Dizem que é linda, mas infelizmente estava fechada no dia que a visitamos.

Löwendenkmal
Esse é simplesmente meu lugar favorito em Lucerna. A paz que reina nesse lugar é incrível e inexplicável! O Monumento do Leão Ferido foi esculpido diretamente na rocha, gente, e é impressionante o realismo do trabalho feito pelos artesãos.

O Löwendenkmal foi construído em homenagem aos mais de 700 soldados suíços que morreram durante a Revolução Francesa.

Vai viajar no inverno e está desesperado por não saber que roupas usar? Confira esse post!! 

Rio Reuss
O rio Reuss é o principal rio da Suíça central e o quarto maior rio do país. Por isso a sugestão é passear de barco pelo rio. Ah até um barco movido a vapor para mostrar como era navegar alguns séculos atrás. Se for primavera ou verão, a paisagem será estarrecedora de tão linda. E é na beira do Rio Reuss que estão localizados muitos bares, restaurantes e pubs. Vale sentar em um deles para ao menos tomar um café e aproveitar a vista.

Musegg tower
Construída em 1333, essa muralha medieval se mantém intacta ao longo dos séculos. A vista panorâmica a partir da muralha é incrível! Ela é linda, mas uma pena que só pudemos vê-la de longe, pois fomos no inverno e ela estava completamente fechada. Isso porque ela fica aberta para visita apenas de abril a novembro, mas você pode ver fotos lindas aqui nesse post.

Old town
Você levará pouco tempo para percorrer o centro histórico de Lucerna. O calçadão exclusivo para pedestres começa bem à beira do Rio Reuss e segue por algumas quadras. A cidade antiga é uma gracinha e caminhando é só reparar nos prédios que você verá os famosos afrescos pintados à mão.

É isso pessoal! Não se esqueçam de comentar os posts, isso ajuda o blog a ganhar vida, me orienta sobre as preferências de vocês e me estimula, pois a cada comentário fico muito feliz! Você também pode acompanhar a gente no Facebook e Instagram

La Bocca della Verità e sua lenda da idade média que ainda atrai milhares de turistas à Roma

La Bocca della Verità ou “A boca da verdade” em bom e velho português é uma das muitas atrações de Roma. Essa grande máscara está presente em praticamente todos os guias de viagem sobre a cidade e na nossa segunda visita à Roma decidimos vê-la de perto.

A máscara fica na entrada da Igreja de Santa Maria in Cosmedin, perto do circo Máximo. Não é difícil chegar até aqui: aproveitamos que estávamos no Coliseu e caminhamos menos de 15 minutos para chegar até a igreja. 

Chegando por aqui é quase certo que vai pegar uma fila básica.  Tá certo que a fila não é grande suficiente para os padrões quilométricos das filas de Roma, mas com certeza ficará uns 15/20 minutos esperando (o que nas férias não chega a ser um problema, certo?).

La Bocca della Verità ficou famosa lááá na idade média, quando as pessoas passaram a acreditar que a máscara tinha o poder de saber se uma pessoa estava falando a verdade ou não.

Diz a lenda que para saber se a pessoa em questão estava falando a verdade, era preciso que a mesma colocasse sua mão dentro da boca e caso estivesse mentindo, teria sua mão devorada pela máscara!

O tempo foi passando e a lenda continuou. Prova disso foi a fila que encontramos ao chegarmos lá! Pesquisando sobre essa máscara, li no blog Roma pra você uma história super interessante de que na verdade ela foi criada para ser usada como tampa de bueiro e que por ela passava esgoto! kkk No mínimo curioso, não é mesmo?

Minha mãe aliviada pela máscara não ter devorado a mão dela! kkk

O que achei
Fizemos essa viagem em família e estávamos com nossas mães. Elas adoraram, riram à beça e se divertiram muito. Inclusive ficaram aliviadas por não terem suas mãos devoradas. kkk

Já eu confesso que não achei muita graça. De verdade. Acho a lenda bacana e super respeito a história da máscara que já dura tantos séculos.

Particularmente só recomendo se tiver muitos dias para curtir a cidade. Mas se o seu roteiro estiver apertado eu não perderia tempo lá. rs

É isso pessoal! Não se esqueçam de comentar os posts, isso ajuda o blog a ganhar vida, me orienta sobre as preferências de vocês e me estimula, pois a cada comentário fico muito feliz! Você também pode acompanhar a gente no Facebook e Instagram

Praças de Roma: Conheça a cidade através de seis praças famosas e suas histórias

Assim como em toda a Europa, as praças são muito comuns e importantes na Itália. Era uma maneira que os antigos tinham de socializar. Eram nas praças que se encontravam para discutir sobre política, economia ou só para bater papo mesmo em um desses deliciosos dias de verão! É algo cultural.

Você vai reparar a quantidade de praças quando estiver montando seu roteiro: é piazza pra cá, piazza pra lá e se você não se organizar, vai se confundir! rs Por isso hoje listo 6 importantes praças dessa cidade que tanto amo!

Piazza di Spagna
Essa é uma das praças mais famosas da cidade. A atração aqui é uma enorme escadaria com 135 degraus que foi construída em 1725 para ligar a praça à Igreja Trinità dei Monti, que fica lááá no topo. Assim como quase todas as praças de Roma, a Piazza di Spagna também tem uma fonte, a fontana della Barcaccia, e ela é mega famosa já que foi esculpida por Pedro e Gian Bernini (pai e filho e grandes nomes do Barroco).

Mas confesso que já tive uma relação de amor e ódio com essa praça! Da primeira vez que fui à Roma só tinha visto imagens da praça na primavera, quando ela fica toda colorida e cheia de flores. Acontece que era inverno e, além de não ter flor alguma, a igreja citada acima estava em reforma e no lugar de uma bela igreja no final da escadaria havia um tampão de madeira. Decepção dita e feita! rs

Voltei uma segunda vez e a impressão mudou bastante. Também era inverno e obviamente não havia lindas flores por lá, mas a igreja já estava restaurada e a vista valeu a pena!

Eu e a minha mamis!

Piazza della Rotonda
É a praça onde fica o Pantheon e sua fonte, a Fontana del Pantheon. A vista aqui é linda e o legal é que essa praça datada de 1575 também abriga um pequeno obelisco que foi construído em cima da fonte, em 1711. Para saber mais sobre o Pantheon é só ler esse post aqui.

Piazza Navona
Essa praça é super tradicional e mostra o quanto os romanos amam praças. Os registros históricos mais antigos remetem à Roma antiga, quando no espaço onde hoje existe praça foi erguido o Estádio Domiciano (81 d.C). Depois de alguns séculos é que o estádio deu lugar à praça e ela foi sendo repaginada ao longo do tempo.

Na Piazza Navona fica o Palazzo Phamphilj, onde funciona a Embaixada Brasileira desde 1920 (se precisar, já sabe) e a praça conta com três fontes históricas. A mais famosa é a Fonte dos Quatro Rios, que representa os famosos Rios Danúbio, Ganges, Nilo e Prata (esculpida pelos Bernini).

Essa é a famosa Fontana di Nettuno

Ao norte da praça está a Fontana di Nettuno, datada de 1574 e a Fontana del Moro (datada de 1576) está na área sul. Ambas esculpidas por Giacomo della Porta. Mais sobre a Piazza Navona aqui. 

Piazza Venezia
“Prazer, eu sou a Piazza Venezia, mas também pode me chamar de rotatória”. Sim, é bem isso! Ao contrário das grandes praças da cidade, a Praça Veneza é uma rotatória, que intersecta várias ruas e avenidas de Roma. Ela também é muito conhecida por ficar bem em frente ao Monumento Vittorio Emanuele e pela proximidade do Coliseu. O Monumento, que por sinal tem uma vista panorâmica lindíssima! Duvida? Clica aqui e veja nosso post!

Piazza San Pietro
Tecnicamente essa praça não fica em Roma e sim no Vaticano, que é o menor país do mundo (cabe em 2 quarteirões). Mas vamos esquecer essa mera formalidade, ok? Aqui está a praça mais famosa e sem dúvida nenhuma a mais visitada da cidade.

Como quase tudo em Roma, a Piazza San Pietro foi construída em cima de outro lugar ainda mais antigo (aka Circo de Nero onde milhares de cristãos foram mortos) e foi apenas lá pelo século XVII que ela ganhou novos ares e foi remodelada por Bernini (eita família que trabalhou, heim?).

Bem no meio da praça há um obelisco de 40 metros de altura e cerca de 300 toneladas. E não é um obelisco qualquer: ele foi surrupiado direto do Egito Antigo pelo império romano e levado para Roma (mais alguém imagina como os caras fizeram isso?) e zanzou por outros cantos da cidade até ser colocado ali. Aqui nesse post do Blog 360 Meridianos tem várias outras curiosidades super bacanas.

Como toda boa praça de Roma há uma fonte, na Piazza San Pietro existem duas. Elas datam do século XVII e foram construídas em bronze e granito e cada uma fica de um lado do obelisco. O Vaticano é lindo e dá inclusive para assistir uma audiência com o Papa. Para saber mais é só clicar aqui. 

Campo dei Fiori
Aqui está a única praça de Roma que não tem ao menos uma igreja ao redor. De segunda à sábado há um mercado de flores, frutas, legumes e verduras por aqui e que só vale a visita caso queira comprar alguma coisa.

Não que a praça seja feia, pelo contrário, mas se compararmos às outras, ela não tem muito a oferecer.

Talvez o mais interessante dessa praça seja uma estátua de Giordano Bruno, um filósofo que em 1600 foi queimado vivo aqui mesmo nessa praça simplesmente por declarar que a Terra girava ao redor do sol.

Essas são as principais praças de Roma. É claro que existem muitas outras como você poder conferir nessa lista aqui e a importância delas vai de acordo com o seu gosto. Pesquise mais, mas não deixe de incluir algumas delas no seu roteiro. Roma é uma cidade encantadora em qualquer época do ano!

É isso pessoal! Não se esqueçam de comentar os posts, isso ajuda o blog a ganhar vida, me orienta sobre as preferências de vocês e me estimula, pois a cada comentário fico muito feliz! Você também pode acompanhar a gente no Facebook e Instagram